A experimentação com o remédio único

Assistia uma live com um homeopata e um professor universitário de química, quando esse último comentou, com ironia, que um determinado medicamento (remédio único) servia para tudo, problemas mentais, de pulmão, digestão, intestino, pele e muito mais. A resposta seria: para tudo, mas não para todos. Havia tocado num dos pontos fundamentais da medicina vitalista e um dos pilares da medicina homeopática. 

Parece ter todo sentido experimentar apenas um medicamento por vez para evidenciar sua ação pura no organismo humano, daí utilizar apenas um remédio único por vez no tratamento dos doentes parece um exagero, e dentro do raciocínio da biomedicina até um absurdo. A experiência da homeopatia clássica com autores como Hahnemann, Kent, Hering, Clarke, Tyler, Nash, Paschero, Vithoulkas, Matheus Marin, Sankaran, entre outros; tem mostrado o acerto e a eficácia da terapia com um medicamento por vez. 

Na biomedicina as drogas possuem um efeito terapêutico específico e alguns outros sintomas colaterais, menos frequentes, mas indesejáveis, que também fazem parte da ação dos medicamentos. Já na medicina vitalista a experimentação tem mostrado um grande número de sintomas, 1150 na experimentação de Pulsatilla nigricans*, realmente, da cabeça aos pés, da mente para o corpo. Pela lei de semelhança todos esses sintomas, que foram experimentados por vários indivíduos em estado de saúde, poderiam por semelhança curar um indivíduo enfermo que apresentasse os mesmos sintomas, desde que houvesse suscetibilidade individual, assim um medicamento serviria para quase tudo, mas não para todos. 

A ideia do remédio único está intimamente associada ao conceito de energia vital (homeostase**), de que o organismo reage como um todo e todas as partes se relacionam e se integram em perfeita harmonia no estado de saúde. 

O estudo, a prática e o tratamento com homeopatia nos encantam, quando percebemos a harmonia do ser humano e como a vida reage e se recupera diante dos inúmeros estímulos e agressões que sofre.

*Samuel Hahnemann- Matéria Médica Pura- Editorial Homeopática Brasileira, 1998 

**Homeostase, conceito de Claude Bernard, que se refere à capacidade do organismo vivo de manter o equilíbrio de seu meio interno. 

Gostou? Compartilhe!

Hamilton Camargo Rodrigues

Graduação em Medicina pela Unifesp – Escola Paulista de Medicina
Especialização em Homeopatia (AMHB), Cirurgia Geral e Proctologia ( SBCP)
Organizou e Coordenou o Serviço de Colo-Proctologia da Universidade Federal de Uberlândia
Docente e coordenador de cursos de pós-graduação de Homeopatia na Associação Paulista de Homeopatia, na Sociedade Médica de Uberlândia e no Centro de Especialização em Homeopatia de Londrina (CEHL)
Atualmente, docente do CEHL, consultório de Homeopatia e Proctologia e Ambulatório do SUS de Proctologia.

  • Hamilton Camargo Rodrigues

  • R. Alexandre de Oliveira Marquez, 250 – Vigilato Pereira

  • AGENDE SUA CONSULTA